segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Estado Terminal do Rio Araguaia.

Resultado de imagem para rio araguai assoreado
(Foto: Carlos Siqueira
O Rio Araguaia sempre foi muito piscoso e também famoso pela sua exuberância. Ele contribui em muito para o sucesso da agricultura e pecuária, especialmente, porque atende a demanda da irrigação. Infelizmente, a falta de educação e a não observância da legislação ambiental conduzirão o rio à morte. O desmatamento desenfreado provoca o seu assoreamento. Hoje podemos afirmar que o volume de areia é muito maior que o volume de água. O desrespeito ao meio ambiente também provocará a redução do emprego e da renda e aumentará imensuravelmente o número de refugiados ambientais. O maior problema é que não tem a quem recorrer, pois o Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Estado do Meio Ambiente, IBAMA, inúmeras ONGS e Associações conhecem da devastação e da morte anunciada do rio, mas não se testemunha nenhuma medida corretiva ou punitiva, àqueles que cometeram os crimes ambientais. Entretanto, nos Fóruns Internacionais do Meio Ambiente, governos do Brasil sempre garantem que estão investindo na proteção do meio ambiente. Por fim, alguém poderia informar onde o governo protege o Rio Araguaia?
Resultado de imagem para wikipedia peixes pirarara
(https://www.pinterest.pt/pin/241224123769581239/)

Infelizmente, no futuro, as novas gerações apreciarão os peixes pirararas apenas nas fotografias. E a vida segue....


segunda-feira, 25 de setembro de 2017

O Brasil vive em Guerra.

Uma semana, 1.195 mortes: o retrato da violência no Brasil


Comentário: "A frágil legislação penal gera impunidade, aumento da violência e a criminalidade, onde predominam os crimes de corrupção. Os governantes parecem não ter vontade política, e nem mesmo capacidade de reagir ou expressar emoções. Eles se comportam apáticos, inertes e não demonstram interesse para solucionar as causas. Por conseguinte, os mais de 200 milhões de brasileiros vivem uma fase de desesperança. Ressalte-se, a insegurança pública vem aumentando a cada ano que passa e fica a impressão de que os governos não querem resolver o problema. Sinceramente, só resta ao povo rogar a DEUS, pois não há mais a quem recorrer".


sábado, 16 de setembro de 2017

Exposição a resíduos químicos pode ser maior causa de mortes no mundo, diz ONU

Hoje, eu refletia sobre o que comer e concluí: "por causa dos venenos, nós vamos padecer e também perecer". E o pior, a ganância impede de os empreendedores reverterem o processo de desenvolvimento". Ora, nenhum organismo resiste ao excesso de agrotóxicos, hormônios ou as mulas botânicas que revestem os solos férteis do nosso planeta.                        
     
Pesquisas que mostram que os agrotóxicos causam cerca de 200 mil mortes por envenenamento a cada ano em todo o mundo. Foto: FAO/Harry Vander Wul/ONU 


O relator especial das Nações Unidas sobre gestão e eliminação racional de substâncias e resíduos perigosos, Baskut Tuncak, alertou na quinta-feira (14), em Genebra, que a exposição aos resíduos químicos pode ser a maior causa de doenças e mortes em todo o mundo. Ele declarou que os efeitos da exposição à poluição no ar, na água e nos alimentos têm maior impacto nos grupos vulneráveis. A informação é da ONU News.

Para Tuncak, este tipo de poluição mata mais os pobres, de forma desproporcional, com mais de 90% da incidência de doenças associadas ocorrendo em países de baixa ou média rendas. Crianças e grupos minoritários são os mais afetados. O especialista destacou ainda que bilhões de pessoas estão do “lado errado” do que chamou de “divisão tóxica” e não conseguem obter compensação diante da grande indústria.
O especialista disse que os impactos da poluição e dos resíduos tóxicos são “evidentes”, mas muito pouco é feito para enfrentar esta crise de saúde pública. As declarações do relator constam de um informe apresentado ao Conselho dos Direitos Humanos da ONU. Para Tuncak, o motivo dessa inação se deve aos Estados que promovem os direitos humanos no exterior, ignorando as questões domésticas.
In EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/09/2017